Banca de DEFESA: RAÍSSA VENTURA BAMBIRRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAÍSSA VENTURA BAMBIRRA
DATA : 28/02/2020
HORA: 10:00
LOCAL: SALA 1.49 - CAMPUS DOM BOSCO
TÍTULO:

USO DO SOLO E SEU EFEITO NA MATÉRIA ORGÂNICA NO SOLO E NA ÁGUA


PALAVRAS-CHAVES:

Matéria orgânica; fosforo; uso do solo


PÁGINAS: 129
RESUMO:

O presente estudo teve por objeto a ampliação do entendimento da interação da matéria orgânica presente no solo com o fósforo em função do manejo. Para tanto, a hipótese adotada baseou-se no fato de que as atividades antrópicas, como a agricultura e a urbanização exercem grande impacto no comportamento do solo. A matéria orgânica atua, entre outras coisas, como estabilizante da estrutura do solo e na disposição de nutrientes. O fósforo, assim como o nitrogênio e outros elementos, pode ser disponibilizado pela matéria orgânica através da decomposição. Um dos métodos adotados nessa pesquisa consistiu na realização da coleta de solo nas proximidades de corpos d’água. As amostras de solo foram coletadas em três locais distintos em função do manejo e do tipo de solo predominante no local. Os pontos de coleta estão situados nos municípios de: Carandaí, Prados e Tiradentes, localizados na bacia do Rio das Mortes. Todos pertencentes a formação do Campo das Vertentes. A coleta e posterior análise procedida nas amostras de água apresentadas ao longo dessa pesquisa foram realizadas como um medidor de possíveis componentes do solo que poderiam ter sido carreados para os corpos d’água em que ocorreram a coleta. O referido carreamento pode, dentre outros fatores, ocorrer via lixiviação ou por erosão, ambos decorrentes do manejo do solo. Os corpos d’água analisados na pesquisa foram: Riacho Arenoso, Córrego Sumidouro e Córrego do Bichinho. A pesquisa teve como objetivo geral analisar a importância da relação da matéria orgânica com fósforo presente no solo e/ou na água, em locais com diferentes usos do solo e em que isso pode acarretar nos atributos físicos de textura/granulometria. E como objetivos específicos: verificar como o uso da terra e o conteúdo orgânico dos solos influenciam na quantidade da matéria orgânica encontrada nos afluentes; quantificar as espécies orgânicas e inorgânicas de fósforo (P) que estão presentes no solo e na água em áreas naturais e antropomorfizadas (pastagens e agricultura), como forma de avaliar a qualidade do solo em função do seu uso; e, verificar como a textura/granulometria poderia afetar os fluxos da matéria orgânica e fósforo no solo. As amostras de solo coletadas levaram em consideração o tipo de solo que era representativo de cada região trabalhada, ou seja, o manejo. Dessa forma, foram coletadas 3 amostras da área de agricultura, que diferiam quanto ao tipo de solo (Perfil 1 - Gleissolo, Perfil 2 - Espodossolo e Perfil 3 - Latossolo), 2 amostras da área natural (Perfil 4 - Cambissolo e Perfil 5 - Cambissolo/Latossolo) e 1 amostra da área urbana (Perfil 6 - Gleissolo). A partir das análises de solo e de água coletados, foi possível chegar aos seguintes resultados: nos perfis 1 e 2 foi constatado, por meio do teor encontrado de argila e de matéria orgânica (MO), um processo de transformação e translocação, característica do processo de podolização. Os teores de P disponíveis em profundidade apontam uma translocação ao longo do perfil 1, provavelmente associada as interações com a MO. Quanto ao perfil 2, embora tenha apresentado um horizonte de perda E, também foi verificada a translocação de P. O perfil 3, apresentou uma redução de MO ao longo do perfil devido a topografia do lugar, já o fósforo apresentou perda no horizonte intermediário B1 de 1,4 mg.dm-3 , e um aumento em profundidade de 0,1 mg.dm-3 . O referido aumento pode decorrer da lixiviação da MO, que favorece maior teor de P disponível no solo. No perfil 4, houve um decréscimo abrupto no teor de fósforo da camada superficial para a subsuperfícial seguindo os decréscimos da MO e argila. Não foi considerado para esse perfil fósforo disponível a partir da MO, uma vez que não há condições favoráveis para a disposição do fósforo, tais como, alto pH ou decomposição da mesma, uma vez que a maior parte da MO foi lixiviada. No perfil 5, houve um decréscimo abrupto no teor de fósforo da camada superficial para a subsuperfícial seguindo os decréscimos da MO e argila. E o perfil 6 apresentou descréscimo do teor de MO e acréscimo da superfície para a subsuperfície. O teor de fósforo acompanhou o teor de MO em decréscimo e, diferentemente do perfil 1, o fósforo na camada subsuperficial é menor do que na camada superficial. Uma das razões para o decréscimo de P consiste na perda por lixiviação, outro possível motivo consiste na redução do Fe contido nos óxidos da argila, conforme visto no perfil 1, fazendo com que haja a liberação de P. As amostras de água também foram coletadas em função do manejo do solo. A amostragem consistiu em 3 coletas realizadas em cada um dos 3 trechos dos corpos d’água analisados, totalizando 27 amostras por ano. As coletas ocorreram nos anos de 2017 e 2018, assim, foram coletadas 54 amostras. Na água, as primeiras variáveis analisadas foram: condutividade e oxigênio dissolvido, medidas por meio da sonda multiparâmetros (modelo 556, Yellow Springs Instruments EUA). Em sequência, foram analisados: o fósforo total dissolvido (PTD), o fósforo reativo solúvel (SRP) e, a partir deste, o fósforo orgânico dissolvido (POD). Tais análises ocorreram em sistema espectrofotométrico de injeção em fluxo automatizado (FIA, do inglês Flow Injection Analysis, FIALab 2500, EUA). A condutividade nos corpos d’água urbanos apresentou um caráter acentuado. O oxigênio dissolvido para os corpos d’água em Tiradentes e Carandaí se enquadra nos valores de base Classes I e III, conforme a resolução do CONAMA n°375/05, uma vez que apresentaram para os anos de 2017 e 2018 valores superiores a 4mg/L e a 6mg/L, respectivamente 14,27 e 6,64; 11,56 e 81,7 mg.L-1 . O valor verificado no corpo d’água do município de Prados ficou fora dos valores de base apenas para a medida referente ao ano de 2018, onde o valor encontrado foi de 3,70 mg.L-1 . Dessa forma, o corpo d’água urbano de Prados provavelmente se encontra já bem poluído por matéria orgânica (esgoto doméstico), o que causa um aumento na respiração do corpo d’água e assim os valores baixos de OD encontrados. O valor de PTD verificado nas três regiões não foi muito alto quando comparado com os valores encontrados na literatura. As concentrações de SRP foram baixas em todos os pontos coletados, independentemente dos manejos do solo. Dessa forma, os efeitos do uso do solo urbano e agrícola não ficaram evidentes sobre as concentrações de SRP, o que pode estar relacionado com a alta capacidade dos solos da região de sorção de P. Os valores de POD foram considerados normais uma vez que na literatura já foram verificadas concentrações baixas e independentes do manejo do solo. A partir dos resultados analisados foi possível concluir que o uso do solo afeta a quantidade de MO e assim a disponibilidade do fósforo no solo de maneira inversamente proporcional nos ambientes natural e urbano. Contudo, avaliando essas duas variáveis independentes não é possível montar um quadro de impacto, uma vez que não houve correlação significativa de Pearson, entre os teores de PT e PTD.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1671307 - BJORN GUCKER
Presidente - 1375368 - LEONARDO CRISTIAN ROCHA
Externo à Instituição - LUIZ EDUARDO PANISSET TRAVASSOS - PUC-MINAS
Interno - 1729282 - MUCIO DO AMARAL FIGUEIREDO
Notícia cadastrada em: 19/02/2020 11:00
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa02.ufsj.edu.br.sigaa02