Banca de DEFESA: CONCEIÇÃO APARECIDA LISBOA COELHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CONCEIÇÃO APARECIDA LISBOA COELHO
DATA : 08/12/2021
HORA: 14:00
LOCAL: virtual
TÍTULO:

Desenvolvimento de Método Analítico para Determinação Espectrofotométrica UV-VIS de alumínio (Al3+) em Água para Hemodiálise


PALAVRAS-CHAVES:

Hemodiálise, Alumínio, Determinação Espectrofotométrica UV–VIS

 

 


PÁGINAS: 73
RESUMO:

O íon alumínio é considerado tóxico para os portadores de insuficiência renal crônica, principalmente para os pacientes em hemodiálise devido a exposição ao grande volume de água usada no preparo do dialisato. O cátion Al3+ presente no dialisato, pode atravessar a membrana do dialisador para a corrente sanguínea, e através da transferrina ser transportado para vários órgãos, principalmente para os ossos, pulmão e o cérebro, debilitando ainda mais a saúde do paciente renal. Atualmente, pouco se fala em problemas de intoxicação por Al3+ em pacientes em hemodiálise. A implantação de sistema de tratamento de água com osmose reversa contribuiu bastante para evitar esse tipo de problema, porém as intoxicações continuam de forma silenciosa através do acúmulo de alumínio, principalmente nos ossos.

Uma das formas para aumentar a segurança é realizando o monitoramento de Al3+ na água utilizada. Assim, a proposta desse trabalho foi desenvolver uma técnica por espectrofotometria no UV–VIS, a fim de quantificar alumínio na água para hemodiálise, considerando que essa técnica não é onerosa e pode ser de fácil execução. O método desenvolvido, utilizou o reagente cromogênico alizarina, 1,2-dihidroxi-9,10-antraquinona – (DHA) para complexar o Al3+. Um planejamento fatorial com compósito central 23, foi aplicado para obter as melhores condições de pré-concentração por ponto nuvem, otimizado em banho ultrassônico. As condições ótimas de reação foram definidas experimentalmente em pH 5,59 com tampão biftalato/KCl, proporção molar Al3+ - DHA de 1:4,1, surfactante catiônico cloreto de benzalcônio, 9,4 µL a 5 % m v–1 e sonicação por 5 minutos. A amostra foi pré-concentrada por ponto nuvem usando 0,47% de surfactante aniônico (triton X–114). Esse processo ocorreu em temperatura de 60 °C em chapa de aquecimento. A leitura da absorvância foi realizada em espectrofotômetro UV–VIS em 520 nm, utilizando 1 mL da amostra pré concentrada e 5 gotas de metanol. A faixa linear obtida foi de 0,04 a 0,1 µg mL–1. O método apresentou uma adequada precisão com CV menor que 5% e uma adequada exatidão, com recuperação na faixa de 94,6 a 105,9%. Os limites de detecção e quantificação foram definidos em 0,006 e 0,02 µg mL–1 respectivamente.

 


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - VANESSA MOREIRA OSÓRIO - UFES
Presidente - 1849106 - FRANK PEREIRA DE ANDRADE
Externo ao Programa - 1689019 - RAFAEL CESAR RUSSO CHAGAS
Notícia cadastrada em: 03/12/2021 12:07
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2022 - UFSJ - sigaa04.ufsj.edu.br.sigaa04