Banca de QUALIFICAÇÃO: GABRIEL SALERNO COSTA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GABRIEL SALERNO COSTA
DATA : 12/08/2021
HORA: 08:30
LOCAL: meet.google.com/rzw-szeg-phu
TÍTULO:

EFEITO DA ATORVASTATINA NA PRESSÃO ARTERIAL E SUA MODULAÇÃO AUTONÔMICA EM HUMANOS E ROEDORES: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA COM METANÁLISE


PALAVRAS-CHAVES:

Atorvastatina. Modulação autonômica. Pressão arterial


PÁGINAS: 85
RESUMO:

A atorvastatina é um fármaco comumente usado para redução da síntese do colesterol e tratamento da hipercolesterolemia por inibir a HMG-CoA redutase. Mais recentemente, estudos têm demonstrado que as estatinas, além da sua ação hipolipemiante, afetam potencialmente o sistema nervoso autônomo, previnem ou melhoram a disfunção cardíaca através da inibição do estresse oxidativo e melhoram da função endotelial. Este estudo teve como objetivo avaliar o efeito da atorvastatina na pressão arterial e sua modulação autonômica, bem como esclarecer a relação entre estes efeitos e as mudanças no colesterol sérico. A estratégia de busca foi realizada no Pubmed para a seleção de estudos primários que analisaram o efeito da atorvastatina na pressão arterial, frequência cardíaca, barorreflexo e/ou variabilidade da frequência cardíaca em estudos clínicos randomizados e estudos pré-clínicos realizados em mamíferos. Os artigos incluídos foram estratificados de acordo com as características basais da população e a sua qualidade metodológica foi avaliada usando a escala de Jadad ou SYRCLE. Análises estatísticas independentes foram realizadas para cada parâmetro dos estudos clínicos e pré-clínicos considerando todos os artigos incluídos e/ou cada estratificação. Nos estudos clínicos, nossa metanálise mostrou que a atorvastatina reduz a pressão arterial sistólica (PAS) e/ou pressão arterial diastólica (PAD) quando comparada à linha de base e/ou placebo em indivíduos hiperlipidêmicos com ou sem hipertensão. A atorvastatina não afetou a variabilidade da frequência cardíaca e o barorreflexo. Ainda que a meta-regressão de todos os artigos primários demonstre que o efeito da atorvastatina na redução da PAS e PAD está associado com a redução da LDL comparado ao basal, essa associação não é observada quando comparado ao placebo.  Em estudos pré-clínicos, em comparação ao controle, a atorvastatina não afeta a PAS em ratos alimentados com dieta controle e ratos espontaneamente hipertensos propensos ao derrame, mas reduz a PAS em ratos alimentados com dieta rica em sal (4%), ratos hiperlipidêmicos, ratos diabéticos, ratos hipertensos pela cirurgia renal e ratos espontaneamente hipertensos (SHR). O efeito da atorvastatina na redução da PAS em ratos SHR não está associado com a redução da LDL ou do colesterol total, mostrando que a redução da PAS é independente das alterações lipídicas. Assim, nossa revisão sistemática com metanálise demonstrou que o efeito cardiovascular da atorvastina acontece independentemente da redução do colesterol sérico e da modulação do sistema nervoso autônomo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1692875 - VALERIA ERNESTANIA CHAVES
Externo ao Programa - 1039964 - ANDRE DE OLIVEIRA BALDONI
Externo à Instituição - DANIEL PENTEADO MARTINS DIAS - CUBM
Notícia cadastrada em: 12/08/2021 12:45
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa01.ufsj.edu.br.sigaa01