Banca de DEFESA: JOSÉ MÁRCIO GOMES FERNANDES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JOSÉ MÁRCIO GOMES FERNANDES
DATA : 05/10/2021
HORA: 09:00
LOCAL: UFSJ
TÍTULO:

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA DO TÓRAX E ABDÔMEN DE LARVAS DE Culex spp APÓS EXPOSIÇÃO À DOSE DE INSETICIDAS


PALAVRAS-CHAVES:

 Culicidae, mosquitos, enzimas, bioquímica, inseticida, estresse oxidativo.


PÁGINAS: 67
RESUMO:

O gênero Culex tem grande importância sanitária no Brasil, sendo transmissor da filariose e, recentemente, relatado como possível transmissor do Zika Vírus. Disseminada por todo o país, a prática do uso de inseticidas é a mais comumente empregada para o controle da proliferação de mosquitos. Estes inseticidas, usualmente, causam diversos danos aos insetos, seja alterando a atividade de algumas enzimas, como a Acetilcolinesterase (AChE), ou na produção excessiva de Espécies Reativas de Oxigênio (ERO’s), provocando paralisia ou mesmo a morte. Para os mosquitos, há relatos de que a resistência está associada às enzimas antioxidantes presentes nestes organismos, como a Superóxido Dismutase (SOD), que protegem os animais dos danos causados pelas ERO’s. Deste modo, o presente trabalho buscou avaliar os efeitos de inseticidas na via de estresse oxidativo e membranas celulares em larvas de 3º e 4º instar de Culex spp. Para tal, foram montadas cubas ao ar livre para a obtenção das larvas, em seguida elas foram expostas a CL50 dos inseticidas. O organofosforado Temefós e o derivado da ivermectina, Ivomec, apresentaram menor CL50, por isso foram selecionados para as análises de seus efeitos na membrana e estresse oxidativo das larvas. Os grupos de larvas foram expostos à CL50 dos inseticidas por 24 horas e posteriormente, foi preparado material para realização de avaliação da atividade da bomba de Na+/K+-ATPase, dosagem dos níveis de GSH, Peróxido de Hidrogênio, Lipoperoxidação e Proteína Carbonilada, atividade das enzimas SOD e AChE. Inicialmente detectamos que a quantidade de proteínas totais decairam após os tratamentos com os inseticidas ainda que as larvas tenham sobrevivido aos tratamentos. Após, identificamos em ambos os tratamentos uma redução significativa da atividade da SOD, seguida de diminuição da quantidade de Peroxido de hidrogênio e GSH. A peroxidação lípidica foi menor nas larvas tratadas e proteína carbonilada diminui no tratamento com Ivomec e aumentou cerca de 3 vezes após tratamento com  Temefós. A atividade da Na+/K+-ATPase e AChE foi mais drasticamente inibidas após o tratamento com Temefós. Os resultados apontam para o desbalanço provocado pelos insetidas nas membranas e na função de enzimas importantes como a AChE. Além disso, percebe-se pelas alterações no sistema antioxidante, uma tentativa de adaptação as alterações provocadas pelo tratamento com os inseticidas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1716846 - VANESSA FARIA CORTES
Externa ao Programa - 1544462 - HERICA DE LIMA SANTOS
Externo à Instituição - LUCIANO ANDRADE MOREIRA - Fiocruz - PE
Notícia cadastrada em: 06/10/2021 14:23
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa01.ufsj.edu.br.sigaa01