Banca de QUALIFICAÇÃO: SAYMON MENEZES DE SOUZA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : SAYMON MENEZES DE SOUZA
DATA : 06/05/2021
HORA: 13:00
LOCAL: Google meet meet.google.com/rxz-afdm-hmm
TÍTULO:

SANITIZAÇÃO DE SUPERFÍCIES DE AÇO INOXIDÁVEL COM ADESÃO DE BIOFILMES BACTERIANOS


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: contaminação; laticínio; nanotecnologia; controle de biofilmes; nanosanitizantes.


PÁGINAS: 76
RESUMO:

A presença de biofilmes bacterianos em laticínios além de aumentar as taxas de corrosão da superfície, reduzir a eficácia de transferência de calor, diminuir o fluxo nas tubulações, reduzir a qualidade final do produto e gerar perdas econômicas, causa também doenças veiculadas por alimentos. Devido ao grande número de casos de doenças causadas por alimentos contaminados, tratamentos químicos são aplicados na tentativa de reduzir este problema. Apesar disso, existem limitações quanto ao uso destes tratamentos e com isso, a nanotecnologia pode ser inserida nesta área, como uma importante ferramenta capaz de revolucionar os processos e produtos, mitigando esta problemática. Portanto, este trabalho visa comparar a eficiência de sanitizantes utilizados por indústria de alimentos, como hipoclorito de sódio (HS), detergente alcalino LAT 300 PLUS, ácido nítrico (AN) e soda caustica (SC) em relação com nanoestruturas de prata (AgNP), de quitosana (NQ) e de óxido de zinco (ZnOnano), em diferentes concentrações, para controle de biofilmes bacterianos, a partir de uma simulação da formação de biofilmes de Listeria monocytogenes e Pseudomonas fluorescens em placas de aço inoxidável, ao longo de 12 dias. Foi observado uma superioridade no crescimento da L. monocytogenes em relação a P. fluorescens. Os nanosanitizantes (AgNP, NQ e ZnOnano) foram capazes de reduzir a carga microbiana até um valor aceitável pela Organização Mundial de Saúde (3,0 x 102 UFC·mL-1) até o 6º dia de análise, enquanto o AN até o 4º dia, e os outros sanitizantes comerciais (HS, LAT, AN e SC) podem ser considerados como ineficientes em qualquer período de desenvolvimento do biofilme. Ainda, em estágios mais avançados (após 12 dias), os sanitizantes comerciais apresentaram uma redução de no máximo 2,00 ciclos log, enquanto os nanosanitizantes foram capazes de reduzir entre 3,00 a 7,59 ciclos log. Este resultado confirma a superioridade da eficiência de nanoestruturas no controle de biofilmes formados em laticínios.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2255060 - IGOR JOSE BOGGIONE SANTOS
Interno - 2028441 - BOUTROS SARROUH
Externa à Instituição - DELAINE MEIRELES GOUVÊA BOGGIONE
Externo à Instituição - HILARIO CUQUETTO MANTOVANI
Notícia cadastrada em: 22/04/2021 21:23
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa01.ufsj.edu.br.sigaa01