PPGeog PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Telefone/Ramal: Não informado

Banca de DEFESA: RAFAEL SANTOS SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAFAEL SANTOS SILVA
DATA : 23/08/2023
HORA: 14:00
LOCAL: meet.google.com/ynd-yaus-rmu
TÍTULO:

USO DE IMAGENS DE SATÉLITE PARA ANÁLISE TEMPORAL DO USO DA TERRA E DA COBERTURA VEGETAL EM SUB-BACIAS HIDROGRÁFICAS


PALAVRAS-CHAVES:

análise em escala microrregional, classificação de uso da terra, sensoriamento remoto, Landsat, séries temporais; tendência linear; SATVeg; ClimateEngine


PÁGINAS: 48
RESUMO:

As ações humanas ligadas ao uso e à ocupação da terra afetam todos os espaços ambientais, tornando-o um agente importante na redução da cobertura vegetal. Nesse sentido, as fragmentações das florestas causam problemas ambientais,como redução da biodiversidade, mudanças climáticas locais, erosão dos solos, perda de solo agrícola e assoreamento dos cursos d’água (LÔBO, 2021). Ademais, as atividades antrópicas afetam o ciclo hidrológico das bacias hidrográficas, importantes para a gestão dos recursos hídricos e para o planejamento ambiental, visto que facilitam a identificação das áreas de conservação (AL-JAWAD et al., 2019). Nesse aspecto, as bacias hidrográficas são áreas sistêmicas que possuem seu ecossistema em total interação, sofrendo desequilíbrio quando um ou outro organismo recebe alguma interferência externa (NASCIMENTO e FERNANDES, 2017). Assim, os impactos negativos ocasionados no espaço geográfico da bacia hidrográfica exprimem a dinâmica socioambiental da sociedade (JOIA et al.,2018), o que provoca reduções das áreas de matas nativas e afeta todo o ecossistema existente, ocorrendo mudanças no bioma e nos processos ecológicos,como o ciclo de nutrientes (OLIVEIRA, 2020). Áreas que são ocupadas de forma incorreta, também,apresentam resultados negativos como a redução dos recursos naturais, perda da qualidade do solo, aumento do processos de desgaste da terra e diminuição da biodiversidade (NASCIMENTO, 2017). Dessa forma, faz-se importante entender a dinâmica sociedade/natureza e a maneira como o homem interage, utiliza e ocupa os espaços ao longo do tempo (CANTO e ALMEIDA, 2008), com intuito de identificar espaços no meio rural que podem ter sido alteradas pelas ações humanas para criar possíveis planejamentos de recuperação dessas áreas ou mitigação dos danos provocados. Para identificar a interação e o impacto do homem na natureza é possível utilizar imagens de satélite para mapear e analisar a influência no meio. As representações das paisagens por Sistema de informação Geográfica (SIG) são utilizadas para os registros das ações humanas no espaço,para o monitoramento e o controle do meio ambiente. (PEREIRA e SILVA, 2001). Para Borges et al. (2019), o uso de geotecnologias viabiliza estudos para elaboração de políticas ambientais mais eficientes. Diante disso, Burke (2017) relata algumas vantagens de usar o sensoriamento remoto como o uso para: (1) estimativas baratas de rendimento do campo que podem permitir melhor direcionamento das políticas futuras a serem adotadas; (2) medidas de produtividade que podem realizar avaliações de impacto da agricultura, expandindo, assim, a base de evidências sobre a eficácia de intervenções particulares; (3) capacidade de medir a produção de atividade em um grande número de parcelas ao longo do tempo que melhora a capacidade de compreender a magnitude e determinantes das lacunas de rendimento; e, (4) a verificação da produtividade em escala de campo poderiam apoiar o desenvolvimento e a expansão de recursos financeiros para pequenos proprietários com cartas de crédito. Os dados geoespaciais utilizados estão disponíveis em diferentes escalas,resoluções e intervalo temporal em websites governamentais. As imagens de satélite fornecidas, nas últimas décadas, com alta resolução são utilizadas para criação de mapeamento temático local e regional, auxiliando em pesquisas, como a classificação do uso do solo (MANCINO et al., 2014). As imagens que estão disponíveis nos sites governamentais possuem duas importantes vantagens: a periodicidade dos dados disponibilizados e o baixo custo. Diante do exposto, das técnicas disponíveis do sensoriamento remoto para análise, monitoramento e gestão dos espaços, foram utilizados as técnicas de classificação de uso e cobertura da terra e análise do índice de vegetação de diferença normalizada (NDVI). As imagens de satélite, presentes no primeiro capítulo, foram para realizar a classificação do uso e da ocupação da terra e utilizadas para quantificar e qualificar os dados espaciais, que podem contribuir para a construção de políticas de conservação e monitoramento de detecção de mudanças na paisagem (DUARTE e SILVA, 2019).No segundo capítulo, foi utilizado o Índice de Vegetação de Diferença Normalizada (NDVI) que auxilia a distinguir o tipo de cobertura vegetal e a determinar a saúde da planta. O NDVI demonstra o vigor da vegetação, pois se constitui de valores que variam entre -1 a +1, sendo que os valores negativos representam ausência de vegetação e os valores positivos denotam a presença da vegetação (VENTURA et al. 2019). As pesquisas que utilizam o NDVI analisam variados eventos climáticos com intuito de melhorar nossas previsões e avaliações deimpactos como a aridez (KANG et al., 2022), degradação do solo (HUANG, et al., 2010), incêndio (RANSON et al., 2003) e variações pluviométricas (WANG,et al., 2014). Face ao exposto, esta dissertação está organizada em dois capítulos, equivalentes a dois artigos científicos submetidos a periódicos científicos brasileiros. Os dois trabalhos têm a mesma área de pesquisa, cuja unidade territorial foi a (sub-)bacia hidrográfica do Rio das Mortes Pequeno (BHRMP), localizada nos municípios de São João del Rei e Conceição da Barra de Minas, MG, Brasil. Assim sendo, esta dissertação tem o primeiro artigo intitulado,  “Análise geoespacial e temporal do uso e cobertura da terra na bacia hidrográfica do Rio das Mortes Pequeno, Minas Gerais”, cujo objetivo é analisar, num período de 30 anos (1990-2020), as mudanças no uso da terra que ocorreram no território da BHRMP. O território estudado foi monitorado e classificado  por meio de análises de imagens de satélite Landsat 5 e Landsat 8. As técnicas de classificação do uso e ocupação da terra seguiram o modelo declassificação supervisionada e o classificador máxima verossimilhança (MAXVER) (NASCIMENTO,2003), por meio do plugin “Semi-Automatic Classification Plugin (SCP)”, presente no software livre QuantumGIS (QGIS). As análises do uso e cobertura da terra identificaram uma alteração nas atividades exercidas nas propriedades rurais, na bacia hidrográfica estudada, nos últimos 30 anos. Na década de 90, a principal atividade era da classe[3] ‘Campo, pastagem e cultura anual’, que foi substituída no ano de 2020 pela classe[2] ‘Floresta plantada’. Além disso,foi identificado na pesquisa a falta de preservação das matas ciliares, áreas de preservação permanente (APP), que foram substituídas por atividades agropecuárias.O segundo artigo, “Análise de variações na vegetação baseado na correlação de NDVI e da pluviometria no período de 2006 a 2021 em uma sub-bacia hidrográfica”, tem como objetivo verificar as progressões e regressões da vegetação na BHRMP quando relacionada ao índice de vegetação NDVI com as informações de precipitação, por meio dos dados geoespaciais e plataformas websites. Foram utilizadas as imagens dos satélites MODIS CHIRPS, a partir dos dados do website SATVeg e do aplicativo ClimateEngine para composição de séries temporais de NDVI e de validação da precipitação. A partir de séries temporais foram identificadas as classes que registraram regressões e progressões da vegetação. Para tanto, foram utilizados quatro classes distintas que são agricultura, floresta plantada, pastagem e floresta.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1729282 - MUCIO DO AMARAL FIGUEIREDO
Interno - 882.024.886-72 - CARLOS FERNANDO FERREIRA LOBO - UFMG
Interna - 1743531 - SILVIA ELENA VENTORINI
Externo à Instituição - ITALO SOUSA DE SENA
Notícia cadastrada em: 27/07/2023 11:28
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - | Copyright © 2006-2023 - UFSJ - sigaa01.ufsj.edu.br.sigaa01