Banca de DEFESA: JULIO CEZAR COSTA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JULIO CEZAR COSTA
DATA : 10/05/2021
HORA: 16:00
LOCAL: meet.google.com/qsj-mezz-sfg
TÍTULO:

TENDÊNCIA DO PERÍODO DE PRECIPITAÇÃO DA AMÉRICA DO SUL ENTRE 1981 À 2019


PALAVRAS-CHAVES:

ACP; Análise de agrupamento; Precipitação; CHIRPS; América do Sul.


PÁGINAS: 120
RESUMO:

Entre os elementos do sistema climático que influenciam as atividades socioeconômicas, a precipitação apresenta papel fundamental em áreas tropicais.  Desta forma, excesso ou déficit de precipitação, que pode durar dias ou meses, impactam o ciclo hidrológico e os elementos do sistema climático. Assim, para analisar a homogeneidade de séries temporais e espaciais para a América do Sul é importante destacar o período de precipitação e três parâmetros: início, fim e a duração do período. Com isso, para aumentar a confiabilidade dos resultados nas análises temporais dos estudos de precipitação, é necessária boa qualidade dos dados estimados, assim como boa disponibilidade e distribuição espacial. Neste contexto, este estudo tem como objetivo principal analisar o padrão espacial de distribuição de precipitação para América do Sul a partir da técnica de componentes principais. Para avaliar o CHIRPS, foram utilizados dados de 183 estações meteorológicas do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) e Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) de 2000 à 2018. A técnica de principais componentes (ACP) foi utilizada para classificar a América do Sul em diferentes zonas climáticas. O método de Liebmann foi usado para determinar o início, cessação e duração do período de precipitação de cada região classificada. Para a validação do CHIRPS, os resultados indicam que todas as regiões políticas do Brasil apresentaram correlação elevada com as estações do o INMET/CPTEC e CHIRPS (95,4 %), ainda, quando consideramos toda a área do Brasil, o coeficiente de determinação é de 97%, significativo a p<0,05, teste t-student. Espacialmente, o noroeste do estado do Amazonas e o sudoeste do Pará apresentaram as maiores diferenças entre o conjunto de dados comparados. As estimativas do CHIRPS ajustadas linearmente com os dados do INMET/CPTEC apresentaram uma concordância mais acentuada. Através das 3 primeiras componentes da ACP e, em seguida, da utilização da análise de cluster foi possível gerar 15 regiões para a América do Sul. Conclui-se que cada região apresentou diferentes padrões para períodos de precipitação, as regiões 01, 03, 05, 11 e 14 apresentaram um aumento da duração do período de precipitação. Enquanto as Regiões 02 (nos dois períodos), 12, 13 e 15 apresentaram um declínio da duração do período de precipitação.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2001758 - GABRIEL PEREIRA
Interna - 007.170.909-65 - FRANCIELLE DA SILVA CARDOZO - UFSJ
Externo à Instituição - ANDREWS JOSÉ DE LUCENA - UFRRJ
Externo à Instituição - MARIA ELISA SIQUEIRA SILVA - USP
Notícia cadastrada em: 05/05/2021 18:41
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa02.ufsj.edu.br.sigaa02