Banca de DEFESA: LEILISMARA SOUSA NOGUEIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LEILISMARA SOUSA NOGUEIRA
DATA : 16/07/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Campus Centro-Oeste
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA  LACTOFERRINA SOBRE A MEMBRANA DE ERITRÓCITOS HUMANOS


PALAVRAS-CHAVES:
Lactoferrina; Na,K-ATPase; Ca 2+-ATPase; Eritrócitos; Membrana.

PÁGINAS: 98
RESUMO:
A lactoferrina é uma proteína envolvida na homeostase do ferro e se liga especificamente aos eritrócitos. Estudos prévios demonstraram que o íon ferro pode alterar a composição da membrana plasmática de eritrócitos humanos e estimular a atividade da enzima Na,K-ATPase (NKA). Assim sendo, buscou-se identificar se a
lactoferrina também induziria mudanças. Amostras de sangue total foram coletadas de voluntários saudáveis e foram obtidas preparações de membrana livres de citoplasma (ghost). Ghosts foram tratadas com concentrações crescentes de lactoferrina (1 nM a 1 M), por 30 minutos, a 37 ºC. O sangue total foi tratado com 1nM, 50 nM e 1 M de lactoferrina, por 24 horas, a 4 o C. Membranas de medula renal de porco (que possuem apenas a isoforma 1 da NKA) e preparações de membrana do córtex cerebral de ratos Wistar (que possuem as isoformas 1, 2 e 3 da NKA) foram usadas para avaliar as isoformas da NKA envolvidas nos efeitos da lactoferrina. Foi observada diminuição do conteúdo de Fe 3+sérico e da formação de Substâncias Reativas ao Ácido Tiobarbitúrico (TBARS), demonstrando a atividade antioxidante da lactoferrina sobre os eritrócitos. Não foram observadas alterações morfológicas dos eritrócitos tratados, porém foi observado um aumento do colesterol
e fosfolipídios totais da membrana. A ativação da Ca 2+ -ATPase de membrana lasmática foi observada apenas com o tratamento com as concentrações mais elevadas de lactoferrina, tanto em preparações de membrana quanto em eritrócitos. Preparações de membrana e eritrócitos íntegros, tratados com lactoferrina, apresentaram aumento da atividade de NKA em comparação ao grupo controle e esta ativação não está relacionada à sua conformação enzimática (E1 ou E2). Em relação às isoformas da NKA, não foi observada a ativação da isoforma α1 e houve ativação das isoformas αe α3. Como os eritrócitos não possuem α2, sugere-se que o aumento da NKA está relacionado à isoforma α3. Como a NKA é amplamente distribuída por todo o corpo e está envolvida em muitos processos de sinalização, o efeito sobre a NKA pode ser um dos mecanismos de ação que poderia explicar a atividade biológica da lactoferrina, porém são necessários mais estudos para elucidar a cinética envolvida neste aumento e suas consequências ao nível celular.

MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1581667 - DANYELLE ROMANA ALVES RIOS
Interno - 1682014 - DEBORA DE OLIVEIRA LOPES
Externo à Instituição - FRANCOIS GERMAIN NOEL - UFRJ
Interno - 1526269 - LEANDRO AUGUSTO DE OLIVEIRA BARBOSA
Externo à Instituição - SANDRA RODRIGUES MASCARENHAS - UFPB
Notícia cadastrada em: 02/07/2020 09:58
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa02.ufsj.edu.br.sigaa02