Banca de QUALIFICAÇÃO: FERNANDA HENRIQUES ROCHA RIBEIRO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FERNANDA HENRIQUES ROCHA RIBEIRO
DATA : 30/09/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

ASSOCIAÇÃO DO LETRAMENTO EM SAÚDE E A CAPACIDADE DE AUTOCUIDADO EM PACIENTES COM DOENÇA RENAL NÃO DIALÍTICA


PALAVRAS-CHAVES:

doença renal crônica, alfabetização, autocuidado


PÁGINAS: 57
RESUMO:

Introdução: a aplicação prática do autocuidado vem sendo adotada como medida preventiva adicional para preservação das funções renais. E o Letramento em Saúde (LS) pode ser utilizado como ferramenta que viabiliza esse autocuidado. Objetivo: Avaliar a associação entre Letramento em Saúde e a capacidade de autocuidado de pacientes renais crônicos nos estágios não dialíticos. Método: trata-se de um estudo transversal analítico desenvolvido no ambulatório de nefrologia de um município do centro oeste Mineiro/Brasil. Foram Incluídos adultos e idosos de ambos os sexos, com diagnóstico de Doença Renal Crônica em tratamento conservador, e excluídos pacientes que não tiveram cognição adequada testada pelo teste Mini Mental. Para avaliar o Letramento em Saúde foi aplicado o instrumento SAHLPA-18 e o autocuidado a escala ASAS-R. Resultados: entre os 47 pacientes analisados 57,4% eram do sexo masculino; 69,6% casados; 70,2% se consideravam brancos e 80,9% eram católicos. A média de idade foi de 63,9 anos; a maior parte (78,7%) não trabalhava; 63,9% não completaram o ensino fundamental e 85,1% possuíam renda abaixo de dois salários mínimos. Os estágios predominantes da doença renal (63,8%) foram o 3B e o 4. Além disso, 19,1% tinham o hábito de ler e 38,3% costumavam usar a internet. Na avaliação do Letramento em Saúde 59,6% tinham letramento inadequado (< 14 pontos) e a mediana de 13 pontos, variando entre 0 a 18. O autocuidado, avaliado pelo ASAS-R e quantificado pela escala de Likert com nota máxima 75, obteve média geral de 54,4 pontos (DP=9,4). Com relação ao conhecimento sobre doença renal, somente 8,5% conheciam muito sobre essa doença. No que diz respeito a associação entre o Letramento em Saúde adequado e o Autocuidado, essa foi significativa com p<0,001. Houve ainda, correlação positiva e direta indicando que o aumento dos valores da pontuação do Letramento em Saúde também aumentou a capacidade do autocuidaddo. No modelo final, a regressão linear múltipla identificou que a cada aumento de um ponto no Letramento em Saúde, ocorreu um aumento de 0,54 na capacidade do autocuidado. O R2 foi 40%, ou seja, o Letramento e a variável relacionada ao trabalho explicam 40% da variabilidade dos dados de Autocuidado. Conclusão: houve associação significativa entre o Letramento em Saúde e a capacidade de Autocuidado dos pacientes renais crônicos não dialíticos. Com estes resultados acredita-se que a concretização do Letramento em Saúde como ferramenta adicional para se efetivar o autocuidado na abordagem preventiva aos pacientes com DRC viabilizaria a redução das situações de vulnerabilidade, permitindo uma melhor qualidade de vida, autonomia e tomada de decisões conscientes relativas ao estado de saúde. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1347706 - ALBA OTONI
Externo à Instituição - FLÁVIO MENDONÇA PINTO - SCBH
Externa ao Programa - 1680498 - MARCIA CHRISTINA CAETANO ROMANO
Externa à Instituição - MARIA AUXILIADORA PARREIRAS MARTINS - UFMG
Notícia cadastrada em: 30/09/2020 09:06
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa01.ufsj.edu.br.sigaa01