Banca de DEFESA: YWIA DANIELI VALADARES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : YWIA DANIELI VALADARES
DATA : 13/08/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

RESILIÊNCIA, QUALIDADE DE VIDA E DEPRESSÃO EM PACIENTES COM CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS DE CABEÇA E PESCOÇO SUBMETIDOS A TRATAMENTO CIRÚRGICO


PALAVRAS-CHAVES:

Neoplasias de cabeça e pescoço, Carcinoma de células escamosas, Resiliência psicológica, Qualidade de vida, Depressão.


PÁGINAS: 121
RESUMO:

Introdução: O diagnóstico e os tratamentos do câncer de cabeça e pescoço (CCP) vêm acompanhados de sofrimento, que afeta o paciente e sua família, podendo alterar a qualidade de vida (QV) e levar à depressão. A resiliência pode influenciar nos escores de QV e depressão em pacientes oncológicos. Objetivos: Avaliar os escores de resiliência, QV e depressão em pacientes com CCP em diferentes momentos do tratamento e correlacionar tais variáveis. Pacientes e métodos: Trata-se de um estudo desenvolvido com 28 pacientes diagnosticados com CCP submetidos à cirurgia, no período de agosto de 2017 a novembro de 2019, acompanhados em três momentos. Aplicou-se o Mini Exame do Estado Mental, Questionário de Qualidade de Vida da Universidade de Washington, Inventário de Depressão de Beck e Escala de Resiliência. Resultados: Em relação à QV, notou-se diferença no domínio função física, quando comparados os períodos T1 e T2. Em T2, os pacientes que realizaram apenas a cirurgia apresentaram maiores escores em todos os domínios e na QV total (QVT). Em T3, a função física e a QVT foi maior nos pacientes somente cirúrgicos. Pacientes com CCP em estádios iniciais apresentaram maiores escores em todos os domínios da QV e na QVT em T2. Em T3, os pacientes cirúrgicos apresentaram melhor função física do que aqueles que necessitaram de tratamentos adjuvantes. Referente à depressão, notou-se que os pacientes cirúrgicos apresentaram pontuações menores do que os que realizaram cirurgia seguida de alguma terapia adjuvante em T2. No mesmo período de tempo, observou-se diferença entre pacientes com CCECP em estágios iniciais e avançados, sendo maiores os escores nos últimos. Quanto à resiliência, em T2, os pacientes apenas cirúrgicos apresentaram escores maiores de autoconfiança e capacidade de se adaptar às situações, quando comparados àqueles que realizaram cirurgia seguida de tratamentos adjuvantes. Notou-se correlação positiva entre a resiliência e a QV e correlações negativas entre depressão e resiliência e entre depressão e QV. Conclusão: Nessa casuística, o tipo de tratamento interferiu na QV, depressão e resiliência, bem como o estadiamento tumoral impactou na QV e depressão. Correlação positiva foi observada entre resiliência e QV, assim como negativa entre depressão, resiliência e QV.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALEXANDRE DE ANDRADE SOUSA - UFMG
Externa ao Programa - 1422574 - MICHELE CONCEICAO PEREIRA
Externa à Instituição - MICHELLE MORELO PEREIRA
Externa ao Programa - 1972032 - PATRICIA PERES DE OLIVEIRA
Externa ao Programa - 3091197 - THALYTA CRISTINA MANSANO SCHLOSSER
Notícia cadastrada em: 30/07/2021 09:05
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa01.ufsj.edu.br.sigaa01