Banca de DEFESA: MARCELA VILELA BARROS FERREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARCELA VILELA BARROS FERREIRA
DATA : 08/10/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

ESTRESSE NO TRABALHO E USO DE ANTIDEPRESSIVOS E BENZODIAZEPÍNICOS: ESTUDO LONGITUDINAL DE SAÚDE DO ADULTO (ELSA-BRASIL)


PALAVRAS-CHAVES:

estresse ocupacional, antidepressivos, benzodiazepínicos, epidemiologia, ELSA-Brasil.


PÁGINAS: 53
RESUMO:

Introdução: O estresse no trabalho é um dos principais focos da saúde ocupacional. O adoecimento no ambiente de trabalho favorece a medicalização das manifestações de sofrimento. A associação entre estresse no trabalho e uso medicamentos ainda é escassa, em especial no Brasil. Objetivo: Investigar se estresse no trabalho está associado ao uso de antidepressivos e benzodiazepínicos em uma amostra de servidores públicos ativos brasileiros. Métodos: Trata-se de estudo transversal desenvolvido em uma amostra de 12015 servidores públicos ativos participantes da linha de base (2008-2010) do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA-Brasil). O estresse no trabalho foi avaliado por meio da versão brasileira do Demand-Control-Support Questionnaire, composto por 17 itens. O uso de medicamentos foi considerado a partir do autorrelato de uso de pelo menos um medicamento das classes de interesse nas últimas duas semanas. A associação entre estresse no trabalho e uso dos medicamentos foi avaliada por meio de regressão logística. Resultados: Dos 12015 participantes do estudo, 52,3% eram do sexo feminino, 47,7% tinham entre 45 a 54 anos e 52,7% possuíam, no mínimo, ensino superior. A prevalência de uso antidepressivos e benzodiazepínicos foi de 7,6% e 3,1%, respectivamente. Indivíduos em uso de antidepressivos frequentemente tinham trabalho com alta demanda (41,5%), médio controle (38,0%) e baixo apoio social (39,7%). Já os participantes em uso de benzodiazepínicos tinham em sua maioria alta demanda (43,6%), médio controle (38,4%) e médio apoio social (36,3%). Após ajuste por variáveis de confusão, ter alto controle e alto apoio social no trabalho foi associado a menores chances de uso de antidepressivos. Alto controle do trabalho também foi associado a menor uso de benzodiazepínicos. Trabalhadores expostos a trabalho ativo e de alto desgaste tiveram maiores chances de uso de benzodiazepínicos. Considerações finais: osresultados deste estudo reforçam as hipóteses de que o estresse no trabalho se associa ao uso de antidepressivos de benzodiazepínicos, demonstrando-se assim sua importância para contribuição para intervenções no ambiente de trabalho, assim como para o uso racional dos medicamentos na população de trabalhadores.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2059540 - ROBERTA CARVALHO DE FIGUEIREDO
Interno - 1676450 - GUSTAVO MACHADO ROCHA
Externo à Instituição - SOTERO SERRATE MENGUE - UFRGS
Notícia cadastrada em: 21/09/2021 14:33
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa01.ufsj.edu.br.sigaa01