Banca de QUALIFICAÇÃO: LUCAS SANTOS AZEVEDO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUCAS SANTOS AZEVEDO
DATA : 18/05/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Campus Centro Oeste Dona Lindu/Universidade Federal de São João Del Rei
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIOXIDANTE E LARVICIDA DE SEMENTES DE Tecoma stans


PALAVRAS-CHAVES:

Tecoma stans, metabólitos secundários, atividade antioxidante, atividade larvicida, Culex quinquefasciatus


PÁGINAS: 60
RESUMO:

Muitas patologias, como doenças cardiovasculares e neoplasias, que acometem a humanidade, atualmente, estão correlacionadas com a presença exacerbada de radicais livres no organismo. Os gêneros Aedes sp. e Culex sp., pertencentes a Família dos Culicídeos despertam interesse médico, devido ao fato de serem vetores de doenças, com dengue, Zika vírus e filariose. Os agentes mais utilizados no combate aos mosquitos são químicos sintéticos, não biodegradáveis e bioacumulativos. Muitas espécies do reino Plantae desenvolveram mecanismos de defesa para sua sobrevivência, como a síntese de metabólitos secundários que podem ser utilizados com outras perspectivas. É bem descrito na literatura que óleos vegetais apresentam atividades antioxidantes e larvicidas. Existem estudos de atividades biológicas de folhas e flores de Tecoma stans, porém estudos com suas sementes são escassos. O objetivo desse trabalho foi obter e avaliar as atividades antioxidante e larvicida do extrato etéreo (EE), ácidos graxos (AG) e ésteres metílicos (FAME) de sementes de Tecoma stans. EE foi obtido pela extração com éter de petróleo em Sohxlet. Depois foi hidrolisado e esterificado para obtenção de AG e FAME, respectivamente. No extrato etéreo foi detectado presença de esteroides, terpenos e alcaloides, exibiu potencial antioxidante (CE50 = 0,92 µg/mL), foi atóxico para A. salina (DL50 > 1000 µg/mL) e teve toxicidade moderada para C. quinquefasciatus (DL50 = 188,27 µg/mL). FAME demonstrou atividade antioxidante (CE50 = 1,03 µg/mL), foi tóxico para A. salina (DL50 = 7,52 µg/mL) e pouco tóxico para C. quinquefasciatus (DL50 = 449,03 µg/mL), já AG mostrou atividade antioxidante (CE50 = 0,91 µg/mL), foi tóxico para A. salina (DL50 = 486,27 µg/mL) e para C. quinquefasciatus (DL50 = 20,92 µg/mL). AG apresentou concentração 23 vezes mais tóxica para C. quinquefasciatus quando comparado com A. salina, o que indica seletividade e fomenta mais estudos quanto a atividade inseticida.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1540495 - LUCIANA ALVES RODRIGUES DOS SANTOS LIMA
Externo à Instituição - PAULA AVELAR AMADO - UFSJ
Externo à Instituição - MAIRON CESAR COIMBRA - UFSJ
Externo à Instituição - ADRIANO GUIMARAES PARREIRA - UEMG
Notícia cadastrada em: 27/07/2020 14:20
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa01.ufsj.edu.br.sigaa01