Banca de QUALIFICAÇÃO: JOSE ANTONIO RIBEIRO NETO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JOSE ANTONIO RIBEIRO NETO
DATA : 06/12/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Campus Centro Oeste D. Lindu - UFSJ
TÍTULO:

“Eriosema pycnonthum (Benth), avaliação do potencial biotecnológico em processos cicatriciais”


PALAVRAS-CHAVES:

Eriosema pycnanthum, in vitro, Etnobotânica, Etnofarmacologia, Cicatrização


PÁGINAS: 197
RESUMO:

O gênero Eriosema, composto por 150 espécies, em nove táxons têm sua ocorrência entre África e Américas. Eriosema pycnanthum é uma leguminosa da família Fabaceae, componente da tribo Phaseoleae e da subtribo Cajaninae. No Brasil os estudos envolvendo o gênero Eriosema se resumem à descrição de novos táxons ou ao registro ocasional em levantamentos da flora regional. O presente trabalho visa avaliar a ação cicatrizante do extrato hidroalcoólico de E. pycnanthum, além de avaliar a estrutura vegetal, promover a multiplicação in vitro da espécie e o seu replantio em ambiente natural. O levantamento do uso de plantas medicinais, em especial E. pycnanthum, na região de Itapecerica, Minas Gerais foi submetido e aprovado pelo CEPES-UEMG com o número 2.812.199, onde a adoção livre e espontânea dos populares ao tratamento com E. pycnanthum foi registrado através de questionário, acompanhamento e fotos da evolução do quadro. Mapas de dispersão foram construídos a partir de trabalhos e registros de depósito de exsicatas de E. pycnanthum pelos territórios das Américas, Minas Gerais e Itapecerica. A multiplicação da espécie in vitro, demonstra baixa responsividade dos explantes aos tratamentos convencionais. Em biorreator, o aumento da massa radicular, ocorre de maneira lenta requerendo para isso melhoras no sistema e meios de cultivo com elicitação. O baixo índice de germinação de suas sementes, se deve em parte à rápida queda da eficiência respiratória, comprovada pelo teste de Brometo de Tetrazólium, além de dormência tegumentar, comprovada após retirada manual do tegumento. A análise com o software DCCR-USP mostra que o tratamento com solução de 2% de KNO3 é ineficaz na melhora destes índices. A análise anatômica mostra folhas anfiestomáticas, estômatos paracíticos, mesófilo Dorsiventral com parênquima paliçádico unisseriado prevalente, feixes vasculares concentrados próximos à nervura principal sem grandes alterações entre folhas ex vitro e in vitro que no entanto, têm diferenças quanto à continuidade do parênquima paranerval. As sementes não possuem óleos más apresentam ampla reserva de amido e são dotadas de 9 camadas celulares concentradas sobre o embrião. A composição do extrato analisada por CCD da raiz de campo, in vitro e do chá, mostram fitosteróis como β-sistoterol, β-Escina e Estigmasterol além de fenóis como o Ácido Cinâmico, Catequina, Rutina e Quercetina. O teor de Fenóis totais, Flavonoides, Fitoesteróis e Alcaloides são maiores nos extratos das raízes in vitro. O RMN, mostra espectros semelhantes de composição das xi soluções más com concentrações maiores nos extratos de raízes in vitro e revela a presença de grupos flavonóis, antocianinas e açucares além de compostos anoméricos e glicosídicos. O extrato hidroalcoólico das raízes de campo apresenta ação proliferativa sobre linhagens de fibroblastos e queratinócitos in vitro sem presença de ação citotóxica em linhagens normais. A substituição da água pelo chá das raízes de campo nos testes animais, induzem à melhora do quadro em especial durante a fase inflamatória do processo cicatricial.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1680611 - ROSY IARA MACIEL DE AZAMBUJA RIBEIRO
Interno - 2875448 - RALPH GRUPPI THOME
Interna - 395916 - ANA HORTENCIA FONSECA CASTRO
Notícia cadastrada em: 08/12/2020 14:28
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa02.ufsj.edu.br.sigaa02