Banca de DEFESA: VANESSA CRISTINA GONCALVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : VANESSA CRISTINA GONCALVES
DATA : 19/08/2021
HORA: 10:00
LOCAL: Google meet
TÍTULO:

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: REFLEXÕES SOBRE O CURRÍCULO E O LUGAR QUE DIFERENTES SUJEITOS OCUPAM NO DOCUMENTO


PALAVRAS-CHAVES:

currículo; adaptação; flexibilização; BNCC; Educação Especial


PÁGINAS: 98
RESUMO:

É comum no cotidiano da sala de aula ouvirmos os termos “adaptar” e “flexibilizar” o
currículo para os educandos da Educação Especial. Oficialmente, o professor tem a
obrigação de alinhar o conteúdo dado à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) (BRASIL
(2017), o documento de maior referência para a Educação Básica às necessidades dos
sujeitos incluídos na escola. Entretanto, nem sempre há reflexão de como essa adaptação
ou flexibilização curricular ocorre na prática pedagógica. Por essa razão, o objetivo geral
da pesquisa é compreender quais orientações e contribuições a BNCC traz para o professor
em relação ao currículo adaptado e flexível voltado para a Educação Especial. Para tanto,
construímos nosso referencial teórico sobre “currículo”, considerado como território
contestado, a partir de autores como Santomé (1995), Silva (1999), Sacristán (2000), Lopes
e Macedo (2011), Candau (2002), Traversini et al. (2007), Mesquita (2010), Arroyo (2013),
Oliveira (2016) e Saviani (2016). Já a discussão teórica sobre “currículo inclusivo” se pautou
em Vigotski (1995), Glat e Blanco (2007), Mendes (2010), França (2013) e Capellini (2018).
Esta é uma pesquisa qualitativa, de caráter documental, tendo como objeto primordial de
investigação o documento da BNCC. Por meio de uma leitura exploratória do texto da
BNCC, buscaram-se orientações, menções, pistas e trechos mais importantes e que
tiveram relação com o tema. Além disso, para colaborar com o debate, foi feita uma revisão
bibliográfica utilizando o Banco de Teses e Dissertações da Coordenação de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) sobre o currículo adaptado e
flexível na perspectiva inclusiva. Para o tratamento dos dados e informações coletadas
durante a pesquisa, utilizou-se a Análise de Conteúdo de Bardin (1976). Após situarmos a
base no contexto das políticas curriculares no Brasil, contabilizamos, organizamos e
analisamos o texto do documento a partir das seguintes palavras-chaves: adaptação,
adaptar, adequar, flexibilização, flexibilidade, diversidade, inclusão, currículo, educação
especial e educação inclusiva. Concluímos que os termos “adaptação” e “flexibilização” não
são tratados como deveriam, causando confusões em seus significados, e que não há uma
reflexão e um entendimento teórico sobre o que significam e sobre sua aplicação na prática
pedagógica. Além do mais, a BNCC se mostrou homogênea, contraditória, superficial e
pautada em um sujeito universal, deixando explícitos os interesses empresarias e a
mercantilização do ensino.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - MARIA CAROLINA DA SILVA CALDEIRA - UFMG
Interna - 1005053 - AMANDA VALIENGO
Presidente - 1644417 - MARIA JAQUELINE DE GRAMMONT MACHADO DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 13/08/2021 10:42
SIGAA | NTInf - Núcleo de Tecnologia da Informação - +55(32)3379-5824 | Copyright © 2006-2021 - UFSJ - sigaa01.ufsj.edu.br.sigaa01